Remember chanfana

Remember chanfana

Já é sabido que a cultura Dj anda pelas ruas da amargura, mas se estiverem a ler esta “crónica” é porque bateu mesmo no fundo.
Mas não tão fundo como as festas revival, e passo a explicar.
Nos anos 80 as pessoas ouviam… anos 80. Era cool ouvir as novidades e as pessoas sentiam-se modernas.
 
Hoje em dia corre um frenesim em torno do saudosismo que sinceramete não entendo, mas respeito.
Tentei perceber o porquê de tanto zunzum dos eventos cuja música até tem uma estação de rádio dedicada a passar o saudosismo 24 sobre 24 horas.

Vamos aos argumentos:
1- Vamos ver amigos que já não vimos desde que o SCP foi campeão!
Bom, este argumento não é lá muito coerente, até porque se são amigos provavelmente nunca tinham perdido o contacto e não era preciso depilar as virilhas em pleno Inverno para os ir ver.

2- O Dj passa música do nosso tempo!
Argumento até seria interessante se a RTP Memória fosse o canal mais visto em Portugal, mas como não é, fica só a sensação que a malta não gosta de sentir que já passaram 40 anos desde a primeira passa num charro.

3- A música não está alta e assim as pessoas podem conversar!

Malta, ir para uma discoteca conversar é como ir a Fátima às massagens eróticas, é parvo e incomoda quem está de joelhos. Querem conversa peçam ao vosso neto que instale o Tinder.

4- As pessoas vão lá para se divertir!
Se o conceito de diversão for ver se o implante mamário que a Bibá fez em Guimarães por 1500€ é maior do que o da Lili que fez no Brasil por 2000€, então sim, é divertido!
Aliás nada mais divertido do que ver as avós recém divorciadas, todas bombadas e sem 2 dentes de lado, a cortar no micro vestido da secretária do ex marido da “amiga”.

5- A festa acaba cedo!
Pois, o calcitrin hoje é mais benuron que outra coisa, e além disso a vovó tem que ir cedo buscar o personal trainer à festa de kizomba para rumarem a mais uma noite louca de zumba no apartamento na praia, que o ex deixou no divórcio.
Cartão de fidelidade do ginásio aquanto obrigas…

6- Vai muita gente nova!
Caríssimos, essa gente nova que vai é um adereço. É tipo um andarilho sexy dos tempos modernos, coisas de gente rica…

Conclusão
Não entendo uma festa cuja música é sempre mais do mesmo, as pessoas só lá vão para criticar quem lá está e às vezes até dá a sensação que é um shark tank de azeiteiros cujo bmw é leasing e o relógio uma imitação adquirida a um monhé na praça de Espanha.
Há melhores sítios para ir comer chanfana…

By Soldado Abílio (Dj/Produtor/Vegan)

>

Facebook

YouTube

Instagram

Follow Me on Instagram

A TOCAR

¤