Pedro Ramalho

A MÚSICA ALIMENTA A ALMA

Já levo mais de 32 anos ligado à música, 27 dos quais como Dj, no início de forma esporádica e nos últimos 17 de uma forma mais regular e felizmente já tive a oportunidade de passar música um pouco por todo o país onde ao longo destes tempos a transformação do panorama da noite sofreu inevitavelmente mudanças que, comparando com os “meus primórdios”, são no mínimo gritantes.

Desde a mudança de suporte musical, sim, comecei com cassetes e vinil, que deram lugar aos cd’s e, é claro, ao digital com todas as opções que se apresentam.

Os objectivos continuam a ser os mesmos, aqueles que levaram ao reconhecimento da especialidade dos dj’s um pouco por todo o mundo, ou seja, animar, fazer ambiente, encher as casas, mostrar novidades ou recordar as músicas que ainda deixam arrepiados muitos pelas memórias que deixaram, não obrigatoriamente por esta ordem…mas há uma diferença que, penso eu, está a modificar a noite rumo a caminhos “perigosos”: o conceito mudou.

Longe vão os tempos em que, no meu caso, casas que tive o prazer de conhecer e onde dancei na minha “infância musical”, como o Seagull em Setúbal ou a Danceteria Lido na Amadora, ditavam a lei no que a uma linha musical dizia respeito e aquela em que mais me reconheço.

Era nesses locais, a que se juntam entre outros o 2001, o Bauhaus e o próprio Plateau, se ditavam as modas sobre o estilo ou estilos da música dos anos 70, 80 e 90 e onde as casas enchiam com gente bonita, onde as pessoas tinham gosto em vestir-se bem tinham gosto em estar e estavam bem.

Alguns ainda tentam lutar contra a corrente e conseguem mas o que se vê hoje em dia é uma aposta, diria mesmo desesperada, na música de consumo rápido, música de impacto imediato… Os gerentes das casas perderam a margem de manobra para fazer e marcar a diferença… há noites em que se sai numa zona com vários bares e todos tocam músicas semelhantes, as tais músicas de consumo rápido onde as gerações com mais idade não se revêem… Mas será que esse conceito morreu ?? Não me parece…

Quantas vezes já não ouvi em relação a alguns colegas de grande renome e meus amigos, que “esse já não puxa ninguém”, “esse não anima as casas” e vai-se a ver, cada vez que nos cruzamos, as casas onde tocam estão…cheias… e com pessoas de um escalão etário que consome bem, que se vestem bem, que criam grandes ambientes… porque será ?? enfim…

Senão repare-se: em 100 pessoas dos 18 aos 50 anos, coloque-se a tocar uma daquelas músicas das que apelido de eternas… um Enola Gay dos OMD, um Wake Me Up Before You Go-Go do Wham ou um We Will Rock You dos Queen… Quantas dessas 100 pessoas saberão o que estão a ouvir ? Acredito por experiência própria que muitas… e não digo que nessas décadas não existissem igualmente músicas de consumo rápido como hoje em dia… E hoje já não as ponho a tocar, ou se tocam é apenas de quando em vez…

Agora gostava mesmo era de ver se essas músicas de “Top” que nos invadiram os ouvidos incessantemente nas duas últimas décadas alguma vez serão recordadas como os temas que exemplifiquei… provavelmente muito poucas…
São descartáveis… Hoje nem nos lembramos, provavelmente de músicas que andavam na berra há meros 5 anos atrás…

Escrevo tudo isto para chegar ao contraste entre o efémero e o que realmente marca…para sempre.
O título desta opinião diz tudo: A música alimenta a alma.

Mas alguma foi e será sempre um género de “Fast-Food”… outra, pelo contrário, delicia gerações que se cruzam na pista de dança ao mesmo som, ao som da música dos anos 80 ou 80’s, como muitas vezes é apelidada, e que recebeu mesmo o epíteto de “Época Dourada da Música”.

E estou a falar nos mais variados estilos musicais.
E falo com o maior respeito por todas as décadas, e todos os estilos desde os mais antigos aos mais modernos…

Mas há estilos que são eternos…Por isso, é com orgulho que também eu elevo bem alto a bandeira dos anos 80, e anteriores, sem complexos e ciente da responsabilidade que tenho…sem entrar em “modas passageiras” e com a paixão por esta década bem presente nos meus sets.

Peace, Love and Rock and Roll

Pedro Ramalho aka Dj Pedro R

*O autor escreve os seus textos sem se reger pelo novo acordo ortográfico.

>

Facebook

YouTube

Instagram

Follow Me on Instagram

A TOCAR

¤